Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades

3 perguntas para o diretor-geral do site e-commerce Mercado Livre!

Publicado em 06 de Dec de 2015 por Victoria Ragazzi |COMENTE

“O MercadoLivre sempre teve o tom da inovação em seu DNA. Creio que essa é a chave para conquistar e fidelizar consumidores em um mundo que estará cada vez mais conectado”



TEXTO POR: Angela Miguel.

Presente em Portugal e em 12 países da América Latina – sendo o Brasil um de seus maiores mercados –, o MercadoLivre completa 15 anos de sucesso espetacular na internet com 100 milhões de usuários registrados e cerca de 2.500 funcionários pelo mundo. Desde o início das operações, o negócio facilitou a venda de 400 milhões de produtos por um valor aproximado de US$ 30 milhões.No entanto, mais do que isso, o MercadoLivre é um verdadeiro celeiro para empreendedores. Tudo começou em 1999, quando o argentino Marcos Galperin decidiu fazer um MBA na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Foi sua visão empreendedora e independente que o fez inspirar-se em histórias bem-sucedidas sobre criações de empresas e empreendimentos com base tecnológica para desenvolver um dos cases de maior sucesso da internet nas últimas décadas.

A plataforma começou com leilões e seguiu com vendas de produtos novos e usados. Durante a estruturação da empresa, diversos obstáculos foram enfrentados, como o desenvolvimento da tecnologia de fácil entendimento e como adaptar um modelo de negócio criado nos Estados Unidos para funcionar na América Latina. No entanto, nenhum desafio foi forte o suficiente para fazer Galperin desistir e, hoje, a empresa se tornou uma grande porta de entrada de empreendedores no mercado. Para falar mais sobre essa história, a Gestão&Negócios entrevistou o diretor-geral do MercadoLivre Brasil, Helisson Lemos, há 15 anos na empresa. Confira!


                                           (Foto: Reprodução)

Conte como surgiu a ideia do MercadoLivre e como foi o caminho para transformá-la em um negócio real?
HL: A história do Mercado- Livre começou na Universidade de Stanford, em 1999, quando Marcos Galperin, fundador da empresa, decidiu apostar em uma ideia ambiciosa. O e-commerce estava dando os primeiros passos e com ele o formato de marketplace – shopping virtual. O MercadoLivre nasceu na Argentina e, quase simultaneamente, no Brasil como uma plataforma tecnológica que mudaria completamente a forma de comprar e vender dos latino-americanos. Foi uma oportunidade muito boa para empreender, apesar do ceticismo de muitos: “Ninguém comprará pela internet”, diziam. Mas, o fundador do MercadoLivre acreditou no potencial desse negócio.

O MercadoLivre pode ser considerado um grande celeiro para os empreendedores brasileiros? Conte alguns exemplos de cases de sucesso que surgiram por meio da plataforma.
HL: Sem dúvida, o MercadoLivre é um celeiro de empreendedorismo. Em comemoração aos 15 anos da empresa, em ENTRELINHAS 16 2014, lançamos o livro “Histórias que inspiram”. A publicação traz 15 cases de empreendedores de sucesso que vivem de renda gerada no MercadoLivre. Dentre eles está a Clóvis Calçados, que aumentou seu volume de vendas pela internet em 80% com a plataforma de e-commerce do MercadoLivre, a Virtual Joias, que vende cerca de 150 produtos por dia no Brasil, e a Bebê Store, que se tornou referência em produtos infantis.

O que podemos esperar do MercadoLivre nos próximos anos?
HL: Como somos uma empresa de capital aberto, não podemos adiantar informações sobre novos investimentos. Mas posso afirmar que o MercadoLivre ainda tem muito a crescer e trabalha para, cada vez mais, atender e superar as expectativas de seus clientes. Vale destacar a importância dos mais de 2.500 colaboradores do MercadoLivre na trajetória e no sucesso alcançado pela empresa. O mercado de internet está em constante evolução e isso requer profissionais inovadores, prontos para se adaptar ao novo e transformar possíveis dificuldades em oportunidades. Essas características e a boa gestão dessa equipe têm sido essenciais para o desenvolvimento e crescimento da empresa.

Confira mais reportagens na edição 84 clicando aqui.


COMENTE