Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades

Oric, a marca de pranchas que nasceu pra democratizar o surfe

Publicado em 11 de Jun de 2018 por Giovanna Henriques |COMENTE

A história da empresa que nasceu da vontade de um filho de aprender a surfar e se tornou o business e a vida de seu pai, Guilherme Paz “O surf é para todos” é o slogan da Oric e a principal motivação do seu nascimento. Conheça



Texto Redação 

O objetivo da marca é incentivar a prática do surf como um estilo de vida e reforçar sua democratização - ainda que hoje o esporte seja uma modalidade olímpica. A marca iniciou suas atividades em janeiro de 2016, em Porto Alegre, após o empresário Guilherme Paz firmar uma parceria com o shaper Ciro Buarque. Desde o início, a ideia da marca é não ter funcionários terceirizados, por isso as pranchas são 100% de fabricação própria.  O que motivou Guilherme a criar a Oric foi o sentimento de nostalgia que o surf trouxe para ele. “No verão de 2016, meu filho pediu uma prancha para aprender a surfar. Nesse momento tive uma lembrança forte e arrepiante da infância e adolescência, pois desde sempre fui apaixonado pelo esporte. A partir daí lembrei de um amigo de infância que morou na Austrália. Ao lembrar do Ciro Buarque, fiquei sabendo que tinha voltado ao Brasil e que estava começando a produzir pranchas. Portanto, além de revê-lo após alguns anos, fiz o pedido da prancha de meu filho ao Ciro - Oric ao contrário, ele que dá nome a empresa. Ao receber a prancha, desisti da carreira de advogado que tinha programado e resolvi trabalhar com algo que vem do coração, o surf”, relembra Paz. 

Foi no quintal da casa de Ciro que a primeira prancha da marca foi feita. De lá para cá a empresa não parou de crescer. Hoje, após um investimento de 4 milhões, mudaram para um casarão tombado da cidade de Porto Alegre, batizado de Castelo Oric. Lá são produzidas em média 70 pranchas de alta qualidade por mês. A Oric é a primeira marca gaúcha que está ganhando destaque no Brasil e no mundo.  “Hoje vendemos em todo o Brasil. Fernando de Noronha é um dos principais destinos do esporte e temos um projeto incrível com escolinhas de surf e atletas locais por lá. Recife é outra capital que abraçou a Oric e tivemos um feedback incrível em Bali, na Indonésia, onde Paulo Zulu foi surfar com vários profissionais e foi unânime nossa qualidade”, avalia Thiago Telles, diretor executivo da empresa. Além de vender pranchas para diversos tipos de modalidade - surf, kitesurf e sup -, estão expandindo para fabricação de vestuários, trabalhos com madeira, eventos e novos empreendimentos para dentro do Castelo Oric, que vem se destacando na cena local. A marca também patrocina surfistas, como Paulo Zulu e Gustavo Borges,  participa de eventos como Black Belt Challenge e o Circuito da Associação de Surf de Porto Alegre, agora, coloca em prática projetos para o exterior.


Através de Javier Morales, um funcionário da Oric nascido em Cuba, a equipe descobriu que o esporte é marginalizado no país, devido a fuga de moradores pelo mar. No ano passado, Guilherme foi pela primeira vez para o país conhecer esse cenário. Em Havana, ele conheceu o surfista Gaston Pomares. Vendo o talento do cubano e as condições precárias em que ele surfava, Guilherme viu a chance de mudar mais que uma vida e mostrar que é possível um novo caminho. Foi então que Gaston se tornou mais um atleta da Oric e ficou encarregado de cuidar de uma escolinha de surf em Jaimanita com a ajuda da marca.


Em fevereiro deste ano, Guilherme decidiu voltar a Havana para levar mais equipamentos e continuar na sua missão de difundir o esporte por Cuba. Vendo que o local tinha uma bela paisagem e uma boa história pra contar, gravou um documentário com previsão de lançamento para o segundo semestre deste ano.  Com seu crescimento no mundo do surf, a marca pretende ampliar sua área e equipe,  conta com novos projetos e parcerias, principalmente no exterior. Entre elas, com a marca Quicksilver, que gostaria de distribuir suas pranchas no sul pela Oric, e uma expansão com empresas de surf da Califórnia, que gostariam de distribuir suas pranchas nos Estados Unidos.

 


COMENTE